quarta-feira, julho 08, 2009

Na posição esquizo-paranóide, descrita pela psicanalista Melanie Klein, em resumo, existe a ansiedade paranóide. O ego se encontra fragmentado, em busca de um objeto gratificador. Essa fragmentação do ego se dá por sua estrutura, composta por muito mais frustrações que gratificações. O ego se estilhaça em busca de algo que possa dar gratificação a ao menos um de seus "pedaços". O estilhaçamento do ego é como uma tentativa desesperada de escapar da patologia. A quantidade excessiva de frustrações traz ao ego uma sensação de aniquilação.

O bebê enxerga o seio da mãe como primeiro objeto. No caso da posição esquizo-paranóide, este objeto foi muito mais frustrador do que gratificador (é o que Klein chama, em sua teoria, de seio mau). Ele pode ter demorado demais para atender aos seus desejos, pode não ter sido nutritivo, acolhedor, amoroso. Então é gerada uma ansiedade extrema por algo que seja bom. Mas todos os objetos introjetados pelo bebê são maus, e isso é externalizado. Ao passo em que ele projeta no seio sua frustração, responsabilizando-o por sua frustração. E então tem fantasias agressivas de arranhões, mordidas, rejeição a este seio.

O excesso de gratificação também não é positivo. Na adolescência, por exemplo, onde todos os limites são contextados. Se não houver limites, o perigo se instala. O excesso de gratificações pode fortalecer a fantasia onipotente do bebê. Fantasia onipotente é outro traço bastante relevante na posição esquizo-paranóide, a sensação de onipotência é perigosa. Por outro lado, quando a frustração é excessiva, gera a fantasia de agressão ou a agressão de fato.

Nas mulheres há uma relação ambivalente. Ao mesmo tempo em que a mãe é um objeto de amor, é um de ódio. Há rivalidades e diferenças grandes com esta mãe. O que faz a menina tender a uma opção heterossexual, inclusive. Entender a importância da passagem por esta posição, possibilita-nos compreender a formação, a estrutura psíquica que constitui o indivíduo. O que refletirá, sem dúvida, em situações futuras.



Traçando um paralelo com a prática, porque a psicanálise exige de nós uma capacidade de abstração que, reconheço, é difícil alcançar limitando-nos à teoria, falarei do filme "Uma Mente Brilhante", que ilustra muito bem a teoria de Melanie Klein acerca do tema em questão.

O filme trata da vida de John Nash, que é um matemático americano genial. Ele se encontra na posição esquizo-paranóide. Nash era esquizofrênico e apresentava alucinações visuais. Ele tinha idéias delirantes, que consistiam em falsas crenças, não corrigidas pela confrontação com a realidade, que tendiam a se difundir e ir tomando conta da mente. No caso tratado, Nash via, principalmente, três pessoas (Charles, sua sobrinha e Parker), mas seu delírio mais preocupante era o de perseguição. Havia, no seu entendimento, uma conspiração e ele estava empenhado em descobri-la. O interessante é que somos colocados dentro da mente de Nash. O filme trata a esquizofrenia do ponto de vista do esquizofrênico. Todas as visões que ele tem nos parecem reais também. O espectador acredita nas visões de Nash.

Quando está no auge de seu problema psiquiátrico, Nash acredita estar trabalhando para o serviço de inteligência americano, contra os russos. Assim, nada mais parece ter importância, nem a família, nem a continuidade de sua vida acadêmica. Tudo o que ele quer é descobrir uma bomba que vai explodir em qualquer lugar dos EUA. Nash acredita que, com sua inteligência, só ele poderia decifrar códigos publicados em revistas. O que nos dá mais uma pista da posição esquizo-paranóide em que ele se encontra, o delírio de grandeza, sua fantasia onipotente, sua megalomania.

Os três personagens que Nash vê podem ser entendidos como sua personalidade dividida, cada um representando um aspecto. Charles, tudo o que Nash gostaria de ser, seu ideal de ego. A menina, um superego infantilizado. E Parker, seu Id, dando vazão a sua megalomania, o fazendo acreditar que era o único que detinha o poder de decifrar os códigos para o governo. O que gera, mais à frente, seu delírio de perseguição.

Em meio a tudo isso, existe Alícia, sua esposa, que é quem procura mostrar a ele tudo o que é real. É seu objeto bom, gratificador. E em determinado momento do filme, ela lhe dá um lenço, que é a representação simbólica do objeto bom introjetado. E é com a ajuda dela que ele consegue aprender a separar o que é real da fantasia. Por fim, ele não deixa de ter as alucinações, mas aprende a lidar com elas de forma que não o perturbem mais. Alicia nos confirma a idéia da importância da gratificação para um ego extremamente fragilizado e fragmentado. É seu objeto de amor que o ajuda a, de alguma forma, vencer a patologia.

Marina Feitosa

17 comentários:

  1. Quel lindo! adorei o blog! E da pra matar um pouco da saudade de pessoas especiais por aki! Idéia brilhante a de vcs! Mayara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, muito bom. Mas não esqueçamos da contribuição dos antipsicóticos para melhora do Nash. As teorias psicanalíticas são bonitas mas não tiram esquizofrênicos de surto algum

      Excluir
  2. Máh, me impressiona a sua capacidade de síntese das idéias e a clareza com que as expõe. Poxa, é sacanagem: passei várias aulas estudando isso com uma prof. de psicanálise e não compreendí, agora aqui, em um texto curto, eu conseguí entender o conceito. Muito bom o texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Esse filme é ótimo!!

    Legal o blog, ficarei de olho! :)

    ResponderExcluir
  4. o blog esta o maximo, sou estudante de psicologia e estamos estudando Melanie Klein agora,adorei as materias que li! felicidades para voces! continuem assim!

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do texto, simples, direto, de fácil compreensão... a citação do filme é relevante.

    ResponderExcluir
  6. Resumido mas eficiente, parabens....

    ResponderExcluir
  7. PARABÉNS, esse blog está muito rico de conteúdos. Está me ajudando bastante a tirar dúvidas.

    ResponderExcluir
  8. Procurei por este blog por causa do meu pai que sofre, e com ele toda a familia ,de esquizofrenia ,ele aha que os vizihos vao mata-lo tomar a casa dele que falam mau dele ,entre outras coisas sem sentido.

    ResponderExcluir
  9. Da próxima vez tenta abordar o sexo esquizo-paranoide, e retratar a posição esquizo-paranoide com fotos.

    um abraço de Goiânia.

    ResponderExcluir
  10. amei o blog. riquíssimo em informações...curso psicologia e curto muito esse assunto de esquizofrenia..

    ResponderExcluir
  11. adorei o resumo.... muito eficiente

    ResponderExcluir
  12. Parabens muito bom!!

    ResponderExcluir
  13. Tenho um trabalho para apresentar sobre este tema e adorei esta explicação, com o exemplo do filme ajudou-me no entendimento. Muito bom. abraço.

    ResponderExcluir
  14. Texto genial, não posso deixar de citá-lo em meu TCC. VGO

    ResponderExcluir
  15. Muito esclarecedor o texto, com uma linguagem muito simples, clara e coerente. Estudo psicologia tbm, embora seja de outra abordagem tenho que estudar psicanálise e achei muito bom para usar como auxílio em meus estudos. :)

    ResponderExcluir
  16. Gostaria de saber quais as referências bibliográficas utilizadas para realizar este texto que, por sinal, está muito bom!

    ResponderExcluir

 
Toggle Footer